Cuidado: o novo vilão das crianças conectadas atende pelo nome de "Homem Pateta" - NOTÍCIAS DE PENTECOSTE

Últimas Notícias

Publicidade

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

terça-feira, 21 de julho de 2020

Cuidado: o novo vilão das crianças conectadas atende pelo nome de "Homem Pateta"

O ciber criminoso cria contas falsas com a imagem do "Homem Pateta" para aterrorizar e forçar crianças e adolescentes a se mutilarem e até cometerem suicídios. Há casos já em 3 estados do Brasil

Foto: Kaspersy/Divulgação


Não é novo. Já teve muito golpe contra crianças e adolescentes de pessoas ou grupos que faziam os jovens terem medo e até cometer suicídio como baleia azul e moma. De forma cíclica eles ficam fortes e depois somem. Um novo está ganhando as manchetes é o chamado "Homem Pateta". Ele começou no México e agora já está no Brasil. Há casos no Paraná, São Paulo e em Santa Catarina, pelo menos. No primeiro caso, o criminoso estimulava a criança a se jogar do prédio. 

No Sul, a Polícia Civil de Santa Catarina alerta pais e jovens e crianças sobre perfis em redes sociais utilizando o nome "Jonathan Galindo", que tem assustado crianças na internet com conteúdo de terror e mensagens que podem induzir ao suicídio. Ele usa uma máscara deformada do pateta.


Foto: Reprodução

De acordo com a Polícia Civil de Santa Catarina, a origem desses perfis se deu em 2017 em países de língua espanhola, sendo muito conhecidos no México. Porém, recentemente foi identificada uma migração para o Brasil. São perfis criados por imitadores, com conteúdo já em português. Os responsáveis por esses perfis têm a intenção de assustar jovens e crianças, utilizando um tipo de máscara que lembra o "Pateta" - "Goofy", um pouco deformada e assustadora.

"Esses perfis têm poucas postagens e desafiam as pessoas a segui-los e enviar uma mensagem privada. Feito isso, é só esperar o retorno deles, que se dá através do envio de mensagens, vídeos, áudios ou até mesmo de uma ligação por vídeo ao vivo. O conteúdo da resposta tem a intenção de causar desconforto, medo e, em alguns casos, tenta provocar o suicídio", explica o agente da polícia civil Ivan de Souza Castilhos, integrante do NIS.
São Paulo

De acordo com o blog da Kaspersky, a Polícia Civil de São Paulo teria descoberto que os ataques no Brasil tem origem de, ao menos, um adolescente como sendo o "Homem Pateta". "Isso reforça a importância da presença dos adultos no acompanhamento das atividades online dos menores". 

O adolescente encontrado em São Paulo, e que estava se passando pelo "Homem Pateta", mandava mensagens pras vítimas e quando a polícia o encontrou disse que tudo era uma brincadeira. Os pais ficaram horrorizados ao saber das ações do filho deles. A polícia fará perícia no smartphone do adolescente. O caso está com a Delegacia Seccional de Socorocaba, em São Paulo.

Segundo pesquisa Kaspersky, em parceria com a consultoria CORPA, metade das crianças brasileiras tem perfis nas redes. Ao mesmo tempo, 20% dos pais admitem ignorar completamente as informações que seus filhos compartilham online.

Para Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky, a falta de atenção em relação à vida (geral e digital) das crianças é o principal motivo para que casos como esse continuem acontecendo. De acordo com o especialista, o envolvimento de jovens com criminosos ou grupos que estimulam a prática de violência tem relação com insegurança, e a ideia de que a Internet é um ambiente anônimo ajuda a externar a angústia que o próprio agressor sente. Quando os pais não participam da vida de seus filhos, acabam alheios aos sinais, tanto quando a criança sofre ou gera algum tipo de bullying ou violência.

“A conversa é a principal arma para evitar e solucionar ambos os casos: da vítima e do causador da violência. Normalmente, quem faz bullying pode sentir inveja ou ciúmes por outra criança ou adolescente ter algo que ela não tem – e não me refiro a bens materiais, normalmente a motivação é emocional, familiar ou social”, explica.

Outro desafio é conseguir explicar os riscos digitais para as crianças. Outra pesquisa nossa revela que sete em cada dez pais brasileiros admitiram essa dificuldade.

Para ajudar a desenvolver essa conversa em casa, a Kaspersky lançou o e-book infantil "Kasper, Sky e o Urso Verde". Ele trata de forma lúdica e com linguagem adaptada para crianças temas como assédio, bullying, conteúdos maliciosos e outras ameaças do mundo online.

“A preocupação com a vida social sempre existiu, mas não como vemos agora. Nunca estivemos tão expostos e nosso papel como adultos é orientar as crianças desde cedo sobre os cuidados com a sua exposição. Explique, por exemplo, que elas irão interagir com muita gente pela Internet, que as pessoas são diferentes e que esta diferença deve ser respeitada. Além disso, é importante avaliar se é necessário compartilhar toda a vida privada nas redes sociais”, afirma.

Assolini ainda incentiva os pais a abrir oportunidades de conversar com os filhos sobre situações vividas na internet. “Pergunte se houve alguma situação estranha no dia dele(a) ou que o(a) fez sentir desconfortável ​​ou ameaçado(a)”, acrescenta. 
Medidas adicionais de proteção

Além do diálogo, Assolini sugere algumas medidas. Uma delas é manter o controle sobre a privacidade dos filhos, configurando as redes sociais de modo que limite o contato com desconhecidos. No Facebook, por exemplo, é possível bloquear mensagens e solicitações de amizade de perfis sem conexão com conhecidos.

Outra solução é a instalação de programas de controle parental. Além de permitir o bloqueio a sites que possam gerar algum risco, é possível ativar recursos como bloqueio de mensagens que utilizem termos relacionados a bullying ou aliciamento. De acordo com nosso levantamento, no Brasil menos de 30% dos pais utilizam esses recursos com os filhos.

Outras dicas válidas

Estabeleça com seus filhos um diálogo sobre os perigos da Internet
Participe das atividades online de seus filhos desde cedo como um “mentor”. Pergunte sobre suas experiências online e, em particular, se teve algo que o(a) fez sentir desconfortável ​​ou ameaçado (a), como assédio, sexting ou aliciamento

Defina regras simples e claras sobre o que podem fazer na internet e explique o porquê

Configure corretamente as ferramentas de privacidade nas redes sociais de seus filhos para que as mensagens sejam visualizadas apenas por amigos e familiares

Conte com uma solução de segurança de qualidade em todos os dispositivos conectados, como PCs, smartphones e tablets, e tenha ainda a função de controle parental nos dispositivos das crianças. Esta solução permite bloquear conteúdos inapropriados, mensagens de spam e ajuda a acompanhar as regras predefinidas de uso da internet.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!