Número de homicídios em dez anos supera população de 70% dos municípios - NOTÍCIAS DE PENTECOSTE

Últimas Notícias

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

Conheça a UNIASSELVI – Graduação e pós-graduação presencial e EAD

sábado, 13 de janeiro de 2018

Número de homicídios em dez anos supera população de 70% dos municípios

Imagine que uma catástrofe dizimou, em uma década, a população de uma cidade como Jaguaribe, com seus 34,4 mil habitantes. A epidemia de homicídios no Ceará fez, de janeiro de 2008 até dezembro do ano passado, 34.899 vítimas. Os números são superiores às populações de 130 dos 184 (70%) municípios cearenses.

Os dados consolidados de Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs) de 2017 foram divulgados ontem pela Secretaria da Segurança Pública (SSPDS). Nunca se matou tanto na história do Estado quanto no ano passado, que terminou com 5.134 homicídios. Uma média de 14 vidas perdidas por dia; ou uma pessoa assassinadas a cada 1h40min.

O número de CVLIs no Ceará foi, em 2017, 50,71% superior aos 3.407 computados no ano anterior e 16% acima dos 4.439 registrados em 2014 — que detinha o antigo recorde. Tal marca foi atingida ainda em novembro último. A explicação dada ontem pelo Governo do Estado não diferiu muito do dito no ano passado: o acirramento do confronto entre facções criminosas.

“O sentimento que tenho é o de que estamos agarrados ao problema, fazendo tudo que é possível fazer. Houve esse acirramento. Grande parte dessas mortes é resultante dessa disputa por territórios e mercados. Todos os dias, vocês (imprensa) mostram isso. Temos que buscar trabalhar em cima das causas disso”, disse André Costa, titular da SSPDS, citando a maior presença policial nas periferias como tentativa de solução em 2018.

Duas outras medidas foram anunciadas para tentar conter a violência. Na Capital, a primeira é a realização de parcerias com a Prefeitura e entidades privadas. A ideia é que a SSPDS garanta segurança para que instituições desenvolvam ações de saúde, educação, cultura e esporte nas periferias.

A outra é o início de uma força-tarefa junto ao Ministério Público (MPCE) para buscar soluções para a questão das facções.

“Não podemos lidar com o fenômeno das organizações criminosas sem conhecê-lo. Porque quando você escuta falar das facções, não vê o nome de uma pessoa. Ela está sem rosto. Precisamos descobrir quem são os rostos dessas facções. A gente descobre isso com a inteligência”, afirmou a promotora de Justiça Joseana França Pinto.

André Costa voltou a exigir da União mais atuação para o combate às facções. “Cem por cento dos recursos de Segurança Pública no Ceará são do Governo do Estado. Isso é um absurdo. As facções são um problema do País, e o Ceará não vai resolver o problema sozinho”, afirmou, ponderando que houve diminuição dos casos de latrocínio.

“Em termos relativos em 2016, os latrocínios representavam quase 13% dos CVLIs e hoje representam cerca de 1,5%. Essa violência que aumentou não alcançou o cidadão que está nas ruas”, afirmou.

Um reflexo da influência das facções nos números apresentados ontem está no significativo crescimento de CVLIs em Fortaleza e Região Metropolitana. O número de homicídios em 2017 na Capital quase dobrou em relação ao anterior, saindo de 1.007 para 1.978 casos (aumento de 96%). No entanto, 2013 segue como ano mais violento de Fortaleza (1.993 homicídios).

Na Região Metropolitana, o aumento foi menor, mas também considerável. O ano passado registrou 1.292 assassinatos, 61% a mais que os 801 ocorridos em 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!