Três são indiciados pelo desabamento do Edifício Andrea - NOTÍCIAS DE PENTECOSTE

Últimas Notícias

Publicidade

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

Três são indiciados pelo desabamento do Edifício Andrea


A Polícia Civil indiciou três pessoas pelo desabamento do Edifício Andrea, ocorrido em Fortaleza, no dia 15 de outubro do ano passado. Foram ouvidos mais de 40 pessoas, entre sobreviventes e testemunhas. Os indiciados são dois engenheiros e um pedreiro.

Segundo a Perícia Forense (Pefoce), as intervenções feitas momentos antes da queda do prédio foram inadequadas e definitivas para o acidente. 

Ainda conforme o laudo elaborado por peritos criminais engenheiros do Núcleo de Perícia em Engenharia Legal e Meio Ambiente (Nupelm), "o fator determinante para o desabamento foi a intervenção inadequada nos pilares da base do edifício, caracterizada pela falta de escoramento de sustentação, além da execução de técnicas equivocadas", disse o perito criminal Fernando Viana.

Viana ainda falou que após a intervenção sofrida nas colunas de sustentação, o prédio encontrava-se em seu limite máximo de esforço. "Houve falta de recobrimento das escoras com concreto".

O delegado José Munguba Neto, titular do 4º Distrito Policial, disse que o inquérito será encaminhado à Justiça. "Tudo vai ser analisado pelo Ministério Público e pelo juíz e é ele quem vai decidir se os acusados vão responder em liberdade ou não".

Os engenheiros José Andreson Gonzaga dos Santos e Carlos Alberto Loss de Oliveira, além do pedreiro Amauri Pereira de Souza, foram indiciados pelo artigo 29 da Lei das Contravenções Penais, que consiste em provocar o desabamento de construção, ou por erro na execução. E também pelo artigo 256 combinado com o artigo 258 do Código Penal Brasileiro, por causar desabamento ou desmoronamento.

Causas do desabamento:

1-falha da empresa responsável pela reforma e dos seus profissionais prestadores de serviços;
 
2-técnica equivocada durante a obra, o que prejudicou a estabilidade da estrutura;

3-ausência de relatório da reforma e de escoramento das estruturas dos pilares de sustentação, conforme determina na Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT);
 
4-acréscimo de carga (sobcarga) inserida sobre o pavimento da cobertura, que foi erguida após a construção da edificação, o que provocou a redução do coeficiente de segurança (no local foi realizada a construção de cômodos -quartos e banheiro- em um espaço de 60 m²);
 
5-falta de manutenção adequada da estrutura ao longo de sua existência.

Desabamento

O Edifício Andrea ficava localizado no cruzamento da Rua Tomás Acioli com Rua Tibúrcio Cavalcante, no Bairro Dionísio Torres. Ele desabou na manhã do dia 15 de outubro de 2019 enquanto passava por reforma. Nove pessoas morreram e sete foram resgatadas com vida. 

Os trabalhos de resgate duraram 5 dias, envolvendo centenas de bombeiros e voluntários que se uniram em uma força-tarefa para ajudar as vítimas e amparar familiares.

Advogado nega reforma do prédio

Breno Almeida, advogado do engenheiro José Andresson, disse em entrevista à TV Cidade que o Andrea não passava por reforma quando caiu. Ele revelou que a empresa Alpha Engenharia foi contratada para fazer os trabalhos de reparo na estrutura do prédio, porém, um acordo foi firmado no dia anterior à tragédia, mas no momento em que a situação aconteceu, apenas uma avaliação era realizada.

Fonte: CNEWS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!