Taxista é feito refém e tem carro utilizado para praticar assaltos em bairros de Fortaleza - NOTÍCIAS DE PENTECOSTE

Últimas Notícias

Publicidade

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Taxista é feito refém e tem carro utilizado para praticar assaltos em bairros de Fortaleza

O táxi rodou com os criminosos por diversos bairros da capital cearense (FOTO: TV Jangadeiro/SBT)
Depois de 6 anos trabalhando como taxista, um motorista foi assaltado pela primeira vez na noite da última quarta-feira (13) em Fortaleza. Os suspeitos pelo crime são três homens que se passaram por clientes, fizeram o condutor refém e utilizaram o carro para praticar pelo menos oito assaltos em diferentes pontos da capital cearense. Nenhum dos criminosos foi capturado pela polícia até o momento.

A vítima, que preferiu não se identificar, relata que o trio solicitou a corrida na Maraponga, informando que o ponto final seria no bairro Mondubim. “Durante o trajeto, um dos criminosos apontou uma faca para mim e pediu pra que ele fosse para o banco de trás. Um deles assumiu o volante. Eles não me trataram mal e me ofereceram até comida”, impressionou-se.

O taxista conta que nunca esperou que algo assim pudesse lhe acontecer. Segundo ele, o episódio foi marcado por pânico. “Foi bem difícil. Diziam que era para eu ficar tranquilo, que não iam fazer nada comigo, que eu ia voltar no meu carro. Eu disse para eles que estava tranquilo, mas estava muito nervoso“, revela o motorista, que preferiu não ser identificado.

O homem acredita ter passado pelos bairros Jardim Castelão, Conjunto Palmeiras e Pajuçara. Segundo ele, os criminosos assaltaram pessoas que caminhavam pelas ruas. “Quem vinha para o ponto de ônibus, eles paravam e assaltavam. O último foi em uma lanchonete. Foi uma média de oito a dez assaltos”, estimou.

Satisfeitos com os roubos, os acusados abandonaram o taxista junto com o carro em Guaiuba. No local, ele conseguiu pedir ajuda. Com a chegada de uma viatura da PM, a vítima foi encaminhada à Delegacia Metropolitana de Maracanaú para registrar um boletim de ocorrência sobre o ocorrido. “Não desejo isso para ninguém”, refletiu a vítima.

O delegado Wagner Jorge, que investiga o caso, acredita que os suspeitos são perigosos. “Pelo que a vítima nos relatou, eles conheciam as áreas e já sabem o procedimento no mundo do crime. São periculosos”, classificou o delegado.

Fonte: Tribuna do Ceará

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!