Saga criminosa da quadrilha dos “Pipocas” chega ao fim com a morte do seu chefe - NOTÍCIAS DE PENTECOSTE

Últimas Notícias

Publicidade

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Saga criminosa da quadrilha dos “Pipocas” chega ao fim com a morte do seu chefe

Os criminosos eram temidos na região de Quixadá, mas acabaram mortos no Tocantins. "Neudo Pipoca" (o 1º à esquerda) comandava o bando
Chegou ao fim a saga criminosa de um grupo familiar cearense envolvido em roubos a bancos, ataques a carros-fortes, sequestros e mortes de policiais em diversos estados brasileiros. Nos próximos dias deverão chegar ao Ceará os corpos dos quatro bandidos que pertenciam à família dos “Pipocas”, que morreram, na madrugada da última sexta-feira (1º), em confronto com a Polícia Militar no estado do Tocantins. Ontem, as autoridades daquele estado apresentaram à Imprensa as armas da quadrilha.

Fuzis de calibre 5.56 e 7.62, de uso restrito das Forças Armadas e da Segurança Pública, além de uma farta quantidade de munições e carregadores, foram encontrados na mata, na região do Município de Pequizeiro, na região Central de Tocantins. O arsenal foi encaminhado ao Comando da PM, em Palmas, para onde também foi levado e velado o corpo do sargento PM Deusdete Américo Gama, 53 anos, que morreu na troca de tiros com a quadrilha dos “Pipocas”. O militar recebeu dois tiros no peito, chegou a ser socorrido ao Hospital Municipal de Araguacema, mas não resistiu.

Os quatro bandidos mortos foram identificados como: Elineudo Oliveira Silva, Elineuton Oliveira Silva (irmãos), Ângelo Márcio Rodrigues e Paulo Sérgio de Oliveira. Todos eram naturais do Município de Quixadá, no Sertão Central do estado (a 154Km de Fortaleza).

Mortes

De acordo com as investigações das autoridades de Tocantins, a quadrilha atacou e explodiu um posto bancário (Bradesco) na Região do Pequizeiro, na última quinta-feira (31), e trocou tiros com a PM horas depois. Em seguida, o grupo tentou atacar um carro-forte. Houve um segundo tiroteio com a Polícia na madrugada de sexta-feira, ocasião em que o sargento Gama e os quatro bandidos cearenses acabaram mortos. O confronto aconteceu na rodovia estadual TO-342, entre os Municípios de Goianorte e Araguacema, a cerca de 289 quilômetros de Palmas, capital do estado do Tocantins.

Armados com fuzis, os criminosos dispararam tiros contra as patrulhas da Companhia de Ronda Tática Motorizada (Rotam), do Batalhão de Policiamento de Choque da PM de Tocantins. Os militares revidaram, se estabelecendo o confronto no matagal às margens da rodovia TO-342.

Chefe do bando

O cearense Elineudo Oliveira Silva, 47 anos, conhecido como “Neudo Pipoca”, era apontado como o chefe da “Quadrilha dos Pipocas”. Um dos principais grupos criminosos especializados em ataques a bancos do Ceará, que já teve membros presos em Gurupi, no estado de Tocantins, em 2017, por explodir uma agência do Banco do Brasil na cidade e fugir com mais de R$ 5 milhões.

O grupo foi preso em janeiro de 2015, em uma grande caçada policial, após tentativa frustrada de assalto a um comboio formado por três carros-fortes na BR-116, no Município de Russas (a 163Km de Fortaleza). Na fuga, os assaltantes se embrenharam no matagal e invadiram uma fazenda, tomando uma família inteira como refém, na noite de 14 de janeiro. Foram seis horas de cerco, tiroteio e negociações, até que os cinco criminosos se entregassem às autoridades. Dois deles ficaram feridos. 

Com a quadrilha, a Polícia apreendeu um vasto armamento de grosso calibre, incluindo três fuzis de fabricação russa, modelo AK-47; dois fuzis americanos AR-15, de calibre 5.56; uma espingarda de calibre 28, três pistolas de calibre .40 (Ponto 40), além de cinco carregadores, 473 munições de diversos calibres, intactas; 20 quilos de artefatos explosivos e várias balaclavas (capuzes).

O bando foi trazido para Fortaleza e autuado em flagrante na Delegacia de Roubos e Furtos (DRF). Posteriormente, o flagrante foi convertido em prisão preventiva pelo juiz da Comarca de Russas. Mas, em março de 2017, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu soltar os cinco membros dos “Pipocas”, incluindo Elineudo Silva, por meio de habeas corpus concedidos pelo ministro Marco Aurélio Mello, do STF, com base no argumento de que a prisão preventiva por dois anos configurou excesso de prazo na custódia que se diz provisória. 

“A quantidade de armas e munições apreendidas e o fato de se tratar de um grupo organizado para a prática de criminosa, são insuficientes para respaldar o argumento alusivo à prisão para a garantia da ordem pública” alegou o ministro.

Várias prisões

Depois disso, “Neudo Pipoca”, foi preso novamente pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), no dia 11 de junho de 2017 ao transitar de forma suspeita em uma caminhoneta modelo L-200 Triton, que foi parada pelos policiais, por volta de 3h15. A abordagem se deu em uma fiscalização de rotina no quilômetro 663 da BR-153, município de Gurupi, no Estado do Tocantins. Ao verificar o nome dos três ocupantes, a Polícia constatou que ‘Neudo’ tinha um mandado de prisão preventiva em aberto e efetuou sua detenção. Um dos dois homens que acompanhava Elineudo Silva, também era membro da “Quadrilha dos Pipoca” e já havia sido preso em outra oportunidade com o bando.

Horas depois, um bando explodiu o Banco do Brasil da cidade, fez reféns e fugiu com mais de R$ 5 milhões. A Polícia Civil do Tocantins informou, naquela época, que pediu a prisão preventiva de “Neudo” por entender que ele se deslocava para encontrar o restante do grupo e praticar a ação criminosa, porém não houve flagrante e a prisão não ocorreu. Além de mais de R$ 5 milhões, foram encontrados um caminhão e duas caminhonetes abandonados, em um matagal. Em um dos veículos estavam acondicionados 68 quilos de dinamite.

Fonte: CN7

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!