Bebê morre depois de gestante esperar 11 horas por parto em Granja; hospital contesta - NOTÍCIAS DE PENTECOSTE

Últimas Notícias

Publicidade

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Bebê morre depois de gestante esperar 11 horas por parto em Granja; hospital contesta

Foto: Reprodução
A auxiliar de serviços gerais Tereza Maria Veras, 36 anos, que estava grávida de nove meses de um menino denuncia que perdeu o bebê após esperar 11 horas para fazer o parto.

Tereza Maria buscou atendimento no Hospital Maternidade Vicente Arruda no último dia 9, na cidade de Granja. Ela disse que sentia muitas dores, estava também com náuseas, porém mesmo assim, o parto não foi realizado prontamente no hospital. 

“Eu cheguei no hospital por volta das 14 horas do dia 9 de outubro. Estava sentindo muitas dores. Estava vomitando também. Me receberam normal. Duas horas depois fizeram o exame de toque e me deixaram em uma cama até quase 1 hora da manhã do outro dia. Então fiquei 11 horas esperando que um médico chegasse e me atendesse”, disse, revoltada. 

Tereza Maria afirmou que as enfermeiras disseram, quando ela chegou à unidade, que o hospital só tinha um médico que fazia uma cesárea em outra paciente. O profissional saiu sem vê-la, segundo a mulher.

“As enfermeiras disseram para mim que tinha um médico, no entanto ele estava ocupado. Quando deu 19 horas a bolsa estourou e eu com muitas dores perguntei pelo médico. Elas não souberam informar o motivo dele ter ido embora sem me ver”, afirmou. 

Tereza Maria afirmou que já pela madrugada, por volta de 00h30, uma enfermeira decidiu que a paciente precisaria ser transferida urgentemente. A profissional de saúde assinou um documento de transferência e acompanhou a mulher até o hospital de Camocim distante 45 km de Granja. Ela chegou em Camocim por volta 1h30 e médico atendeu rapidamente, fez a cesariana, mas retirou bebê morto. 

Hospital contesta

A Prefeitura de Granja afirmou por meio de nota que a gestante procurou o Hospital e Maternidade Vicente Arruda em trabalho de parto queixando-se de “perda de líquido”, sendo prontamente atendida pela enfermeira obstetra, que a manteve sob observação e tomou todas as condutas indicadas para o quadro clínico. Segundo a Prefeitura, ao ser examinada constatou-se "dilatação de seis centímetros, bolsa íntegra, contrações uterinas regulares com feto único, situação longitudinal, em apresentação cefálica e com batimentos cardiofetais de 140 batimentos por minuto".

O órgão municipal explicou também que parâmetros estes estavam dentro dos limites de normalidade para evolução de um parto vaginal fisiológico. Durante a evolução do trabalho de parto, segundo a nota, a equipe observou que após a ruptura da bolsa ocorreu saída de mecônio [substância pastosa que pode ser associada a sofrimento do feto] pelo canal vaginal sendo providenciado o encaminhamento da gestante ao Hospital Deputado Murilo Aguiar, em Camocim, que é a unidade polo na microrregião para os atendimentos mais graves.

Atendimento supervisionado

A Prefeitura disse que a gestante deixou a maternidade com sinais vitais estáveis, sem evidências de instabilidade hemodinâmica, com movimentos e batimentos fetais presentes, mantida sob cuidado supervisionado, através de ambulância do município com suporte adequado e devidamente acompanhada por uma profissional da saúde, conforme protocolo de rotina.

Ainda de acordo com a Prefeitura de Granja, nas dependências do Hospital e Maternidade Vicente Arruda, a paciente recebeu todos os cuidados necessários e possíveis, em tempo oportuno e de acordo com os protocolos estabelecidos pelo Ministério da Saúde e OMS. 

Mãe inconformada

Revoltada, Tereza Maria contou que a família vai recorrer à Justiça. “Ninguém do hospital nos explicou os motivos do que aconteceu até agora. O médico estava lá e era para ter me visto. Ter me atendido. Depois vamos procurar os nossos direitos para que Justiça seja feita. A morte do meu filho não pode passar impune”, disse. 

Na residência da auxiliar de serviços gerais tudo já estava preparado para receber o menino. Inconformada e triste, Tereza lamenta a perda do filho. “Foram nove meses de espera, sentindo-o mexendo dentro de mim, com aquele amor de mãe que sempre sonhei”, afirmou, emocionada.

Fonte: Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!