Crianças e mãe são resgatadas após serem mantidas sem comida por 5 dias no Ceará; 'Dizia que poderiam morrer de fome' - NOTÍCIAS DE PENTECOSTE

Últimas Notícias

Publicidade

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

sábado, 4 de maio de 2019

Crianças e mãe são resgatadas após serem mantidas sem comida por 5 dias no Ceará; 'Dizia que poderiam morrer de fome'

Duas crianças, de 1 e 3 anos, e sua mãe foram resgatadas nesta sexta-feira (4) pela polícia após ficarem cinco dias sem comida e com pouca água dentro de casa no município de Araripe, no interior do Ceará. Na residência onde as vítimas estavam em situação de abandono foi encontrado somente café e um pouco de leite em um forno à lenha. O pai das meninas e companheiro da vítima foi preso em flagrante por cárcere privado.

Luiz da Silva Gomes, de 24 anos, foi detido após vizinhos e familiares denunciarem que as crianças estavam presas dentro da casa sem comida. Além disso, a polícia contou que ele também é suspeito de agredir a companheira, que não teve a identidade revelada. A mãe de Luiz Silva negou que o filho tivesse abandonado as meninas, mas admitiu que o suspeito já agrediu a mulher.

Crianças e mãe eram mantidas presas em situação de abandono dentro de casa no interior do Ceará — Foto: Isaac Macêdo/SVM

Ao chegar à residência, que fica em um sítio isolado do Centro da cidade, os agentes de segurança encontraram a criança e a mulher em situação de total abandono.

A mãe da vítima confirmou a situação precária em que a filha e as netas estavam.

"Eu cheguei lá na casa e a menina me disse 'vovó, mim dá água'. Eu fui pegar, mas não tinha. Eles só comiam quando o pai queria. Ele ameaçava todo mundo. Às vezes, ele levava pra casa da outra avó, depois ele disse que não queria mais saber e que eles poderiam era morrer de fome", disse.

Polícia resgatou as vítimas presas e isoladas no interior do estado — Foto: Isaac Macêdo/SVM

Conforme o cabo da PM Roniele Rocha, após ser retiradas do local, os próprios policiais fizeram uma 'vaquinha' na delegacia para comprar alimentação para as vítimas.

"A situação era triste. Eram duas crianças e não tinha nenhum tipo de alimentação. A polícia fez uma cota para comprar a alimentação para as crianças. A criança de um ano não tinha nem leite pra beber. Segundo a mãe, era cinco dias sem comer nem beber. Ela só chorava muito", lembrou o policial.

Segundo o agente, a mãe da vítima prestou queixa na delegacia dizendo que a filha passava fome e apanhava do marido. "A mulher estava muito debilitada, com os filhos e marcas de agressão. Ela contou que não tinha nenhuma possibilidade de ajuda. Os pais nem entravam no sítio por medo de ameaças", disse o PM.

Mulher era proibida de sair do sítio pelo companheiro — Foto: Isaac Macêdo/SVM

Proibida de ir à escola

A mulher disse que era mantida há quatro nessa situação. Além de ficar sem comida, a vítima contou que o homem não deixava ela frequentar a casa dos parentes. As filhas do casal também não frequentavam a escola e não tinham acesso a serviços básicos de saúde.

"Ele mandava eu fazer as coisas pra ele, me batia, não deixava eu fazer nada. Eu nem pisava na casa da minha família. Eu falava que ia colocar a menina na escola, mas ele falava que não era pra criança estudar. Ela (criança de 3 anos) está matriculada, mas ele não deixava ela ir pra aula. Até as vacinas estão atrasadas. A família dele sabia, uma irmã dele ficou até do meu lado", contou.

Após a prisão, o homem foi conduzido para a delegacia e depois transferido para a Cadeia Pública de Juazeiro. Ele segue detido no local sob acusação de violência doméstica e cárcere privado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!