Reajuste de salário mínimo sem aumento real gera divergências - NOTÍCIAS DE PENTECOSTE

Últimas Notícias

Publicidade

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

sábado, 30 de março de 2019

Reajuste de salário mínimo sem aumento real gera divergências

A expectativa é que o Governo envie ao Congresso Nacional o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) sem a previsão de reajuste real do salário mínimo até 15 de abril
Entre as medidas para ajustar as contas públicas, a equipe econômica do Governo Federal estuda modificar a fórmula de cálculo para reajuste do salário mínimo, que seria corrigido apenas pela inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Assim, o reajuste anual, que considera também o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do País, não teria aumento real para quem recebe o piso.
Se por um lado, a medida reduz os gastos do Governo com a Previdência e diminui a pressão inflacionária, minorando os custos da cadeia produtiva, por outro lado impacta no incremento da renda das famílias e de quase 70% de beneficiários da Previdência. Nos últimos 10 anos, o salário mínimo registrou um aumento 30%, acima da inflação.
"Com um crescimento do salário mínimo acima da inflação, vínhamos reduzindo as perdas salariais, gerando aumento do poder de compra. Sem esse crescimento real, o trabalhador será diretamente impactado", avalia o economista Ricardo Coimbra. "Já as empresas terão a manutenção dos custos de trabalho, o que deve refletir no preço final de produtos e serviços".

O Governo não deve tratar do assunto antes da aprovação da reforma da Previdência, e a proposta da nova fórmula do cálculo de reajuste pode ser enviada até 31 de dezembro, por meio de Medida Provisória. A expectativa é que o Governo envie ao Congresso Nacional o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) sem a previsão de reajuste real do salário mínimo até 15 de abril.
Para Reginaldo Aguiar, economista do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), a política de reajustes com ganho real é fundamental para "melhor distribuição de renda" e "diminuição da desigualdade" no País. Ele ressalta que, desde 1994, quando foi instituído o Plano Real, o valor do salário mínimo corrigido apenas pela inflação (INPC) seria, hoje, de R$ 396.
Impacto na Previdência
Como o piso salarial é referência para o pagamento de benefícios previdenciários, assistenciais e trabalhistas, ele serve de parâmetro para o cálculo das despesas do governo e pode ser alterado durante as discussões sobre o orçamento. "Acredito que essa decisão busca conter os gastos com a Previdência", avalia Coimbra.
Para 2019, o mínimo foi reajustado a R$ 998, baseado na fórmula de cálculo que considera o resultado do PIB de dois anos antes mais a inflação do ano anterior (INPC). O aumento de 4,61% sobre os R$954 que vigoraram em 2018 e superou em 0,04% o reajuste previsto pela política de valorização do mínimo.
Dieese
O Dieese estima que 48 milhões de pessoas tenham rendimentos vinculados ao salário mínimo, dos quais 23,2 milhões de beneficiários do INSS, 12,2 milhões empregados, 8,5 milhões trabalhadores por conta própria e 184 mil empregadores. O acréscimo de cada real no valor do mínimo tem um impacto estimado de R$302,7 milhões ao ano sobre a folha da Previdência Social.
O Governo não deve tratar do assunto antes da reforma da Previdência, mas a expectativa é que, até 15 de abril, projeto de lei orçamentária seja enviado ao Congresso sem o reajuste real.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!