Três bebês com menos de um ano morrem por dia no Ceará - NOTÍCIAS DE PENTECOSTE

Últimas Notícias

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

sábado, 22 de setembro de 2018

Três bebês com menos de um ano morrem por dia no Ceará

Vidas abreviadas pouco depois de nascer. Por dia, o Ceará registra, em média, três óbitos de crianças de até um ano de vida. Até 8 de setembro, a 36ª Semana Epidemiológica, 976 óbitos infantis foram contabilizados no Estado, segundo a Planilha com Atualização Semanal das Doenças de Notificação Compulsória, elaborada pela Secretaria da Saúde (Sesa) com base nas informações notificadas ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação Compulsória (Sinan).

A mortalidade infantil compreende a soma dos óbitos ocorridos nos períodos neonatal precoce (0-6 dias de vida), neonatal tardio (7-27 dias) e pós-neonatal (28 dias e mais). Depois de sucessivas quedas, a taxa de mortalidade infantil (TMI) no Ceará voltou a subir em 2016. Segundo a coordenadora de Vigilância em Saúde da Sesa, Daniele Queiroz, a medida é sensível a dinâmicas de nascimentos. Naquele ano, a explosão do zika vírus adiou a gestação de mulheres.

"Como a taxa é uma medida matemática, isso pode ter influenciado. O número absoluto de óbitos diminuiu, mas a taxa aumentou. Esse não foi um cenário particular do Ceará, que ficou com números inferiores a outros Estados", declara. Ela comemora ainda o recrudescimento de causas que mais matavam há cerca de 10 anos, como diarreia, desidratação, pneumonia e doenças preveníveis por vacinas, como o sarampo.

Os últimos dados consolidados do Ministério da Saúde apontam que, em 2016, ocorreram 1.596 óbitos infantis no Estado. Desse total, 427 (27%) foram registrados em Fortaleza. Em seguida, aparecem Juazeiro do Norte (66), Caucaia (53) e Maracanaú (41), todas cidades com mais de 200 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No entanto, as maiores TMI estão em municípios menores do Interior cearense, com pouco mais de 12 mil habitantes: Pereiro (45,5), Ipaumirim (43,1) e Ibaretama (42,3). Dos 184 municípios cearenses, 24 atingiram TMI superior a 22,8, como aponta o último boletim epidemiológico divulgado pela Sesa. Daniele Queiroz ressalta que a taxa pode ficar alta em municípios com população pequena porque "com um óbito a mais, ela já pode aumentar". Com TMI geral de 12,6, o Ceará fica dentro da categoria "baixa", conforme o Ministério da Saúde, que a classifica em alta (50 ou mais), média (20-49) ou baixa (menos de 20). A Pasta explica que uma TMI alta tende a refletir "baixos níveis de saúde, de desenvolvimento socioeconômico e de condições de vida". Porém, ressalta que taxas reduzidas também podem encobrir más condições de vida "em segmentos sociais específicos".

Levando em consideração a faixa etária dos óbitos de 2016, 843 crianças morreram nos primeiros seis dias de vida - 407 delas em menos de 24 horas. Outras 266 faleceram nos primeiros 27 dias e, mais 487, entre 28 dias e o primeiro ano de vida.

Chama a atenção que 1.055 casos, ou dois em cada três óbitos daquele ano, teriam causas evitáveis, segundo o Ministério da Saúde. Destes, 910 (contra 957, em 2015) seriam reduzíveis por atenção à mulher na gestação. Dentre os principais problemas, estão infecções específicas do período neonatal, com 227 casos, e transtornos ligados à gravidez de curta duração e peso baixo ao nascer, com 109 ocorrências - 485 crianças nasceram com menos de 1kg.

Acompanhamento

Conforme Daniele Queiroz, é praticamente impossível chegar à taxa zero porque o feto pode passar por complicações genéticas ou malformações desde a barriga da mãe. Por isso, a melhoria do contexto social das famílias envolvidas deve passar por diversas instâncias, como saneamento e habitação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!