segunda-feira, 6 de março de 2017

Grupo suspeito de atacar bancos e carro-forte é preso

Além das detenções, foram recolhidas oito armas. Entre elas, está um fuzil automático leve (FAL) do exército argentino

Oito pessoas foram presas e oito armas apreendidas na operação ( Foto: Kid Júnior )

Oito pessoas foram presas em uma operação organizada pela Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) e Comando Tático Rural (Cotar) na última quinta e sexta-feira (2 e 3). Apenas neste ano, o grupo é suspeito de explodir caixas eletrônicos em Itaiçaba, sitiar cidade e fazer reféns em Tamboril, durante um ataque a uma agência do Bradesco , além de explodir um carro-forte na divisa do Ceará e o Rio Grande do Norte.

Na quinta-feira (2), a patrulha do Comando Tático Rural (Cotar) recebeu uma denúncia anônima sobre a localização dos suspeitos e seguiu até uma residência, localizada no município de Aracati. Ao chegar ao local, a patrulha foi imediatamente alvejada a tiros. 

Um morto e outro ferido em confronto com policiais para captura do grupo

No local, foram presas Antônia Glediana Praxedes da Silva e Antonieta Mendonça Cardoso, 46, responsáveis pelo apoio logístico à quadrilha, e Lubercio Felix Rodrigues, 41, e Francisco de Assis Lopes da Silva. Os dois últimos foram feridos após o confronto com a Polícia. Francisco de Assis, que estava foragido de uma das unidades da CPPL, chegou a ser socorrido, mas faleceu poucas horas depois.

Em uma ação concomitante, Cicero Carlos Gregório, 32, foi preso no município de Fortim. Segundo a DRF, Cícero é o líder do grupo responsável por articular diversos ataques a banco no Nordeste com outros suspeitos que residem no estado de São Paulo. 

Após as primeiras prisões, a Delegacia de Roubos e Furtos seguiu em operação, na última sexta-feira (3), no intuito de localizar o restante dos suspeitos de compor o grupo. Em Fortaleza, foram presos Leonardo Alisson Duarte Lessa, 20, Inácio Gonçalves de Souza, 28, Hallyson Romário Veríssimo Reis, 26, e Francisco Valdeci Verissimo Junior, o “Lagartão”, 31.

Armas

No total, também foram recolhidas oito armas. Entre elas, está um fuzil automático leve (FAL) do exército argentino, calibre 762. Segundo informações da DRF, a arma é bastante utilizada em ataques a banco e a carro-forte por ter alto potencial destrutivo. Além do fuzil, foram apreendidas quatro pistolas — sendo uma produzida em Israel e outra na Áustria —, uma espingarda calibre .20 e dois revólveres. Ainda será realizado um exame de balística para identificar se as armas apreendidas foram utilizadas em outros ataques.

Todos possuíam antecedentes criminais e foram presos em flagrante. Os suspeitos responderão por porte ilegal de armas, associação criminosa, e, no caso do grupo preso em Aracati, tráfico de drogas e tentativa de homicídio.

A DRF segue com investigações, no intuito de identificar outros suspeitos de ter envolvimento com a quadrilha. De acordo com Raphael Vilarinho, titular da DRF, há indícios que pessoas detidas em presídios, com “muito conhecimento em ataques a banco”, prestaram auxílio ao grupo com informações privilegiadas e apoio financeiro.

Fonte: Diário do Nordeste

Compartilhe com seus amigos:

Postar um comentário

Matérias produzidas por estagiários

 
Subir
Copyright © 2015 NOTÍCIAS DE PENTECOSTE. Designed by Esgwebmaster