Jovem graduanda em Letras, cria projeto de construção de bibliotecas comunitárias em Pentecoste - NOTÍCIAS DE PENTECOSTE

Últimas Notícias

Publicidade

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Jovem graduanda em Letras, cria projeto de construção de bibliotecas comunitárias em Pentecoste

 


O projeto de construção de bibliotecas comunitárias em Pentecoste é uma ação autônoma e solidária que conta como desejo de jovens pretas e pretos, de origem indígena, estudantes, cidadãos que têm a demanda de ter um espaço na comunidade e para a comunidade que promova livre acesso ao livro.


A jovem Bruna, idealizadora do projeto, entende que a biblioteca comunitária é uma ferramenta de descentralização e democratização da educação e da cultura, pois é nítido que nas comunidades periféricas é negado e negligenciado o acesso as políticas da cultura escrita, desta forma cabe a nós criar serviço de implementação da educação popular. Esse ambiente não é apenas para empréstimos de livros, mas também um local de encontro, que estimula a interação social, promove o aprendizado mútuo, a partilha de experiências, revivescências, história, leituras, amplia e entusiasma o habito da leitura, crescimento intelectual e pessoal, causa o sentimento de pertence, algo criado por nós e para nós.



A biblioteca Patativa do Assaré localizada nos Barreiros, na rua Josias de Oliveira Feijó em Pentecoste, foi criada na área da minha casa, espaço de apenas 5m², mas que demonstra a concretude de um projeto sonhado para a população que está na base do estrato social.


Recebeu este nome visto que, Antônio Gonçalves da Silva, o Patativa do Assaré, foi um poeta e repentista brasileiro, um dos principais representantes da arte popular nordestina do século XX, sua história nos inspirar a formar e multiplicar produtores da arte, da terra, do interior e da periferia, vale lembrar que fizemos uma enquete para escolha do nome e o mais votado foi Patativa.



O sonho de desenvolver o projeto já estava sendo alimentada a bastante tempo, com base nas nossas insuficiências e carência de termos um local que fosse ponto de encontro literário e cultural. Porém, apenas em junho de 2020 foi articulado a prática e efetividade do projeto, no dia 21 de junho gritamos para Pentecoste-CE “estamos construindo um projeto que tem como objetivo a democratização e a inclusão da leitura”, fizemos um perfil para divulgar as atividades nas redes sociais, pois no contexto de pandemia se tornou mais difícil entrar em contato direto com as pessoas.


Bruna, graduanda do curso de letras língua portuguesa na UNILAB tem 21 anos e mora no bairro Barreiros, na rua popularmente conhecida como "rua do mosquito". Ela criou um grupo com pessoas que tinham o mesmo intuito que eu e nós fizemos a divulgação do projeto e lançamos a campanha de doação de livros. A construção do projeto foi realizada de maneira coletiva, com ajuda do pai, mãe, irmãos, companheiro e amigos trabalharam duro na arrecadação de livros, busca por estrutura e instrumentos para fazer tudo isso acontecer.



"Nas ultimas semanas foi ainda mais intenso, meu pai é pedreiro e nos horários de almoço voltava para casa e finalizava piso da sala ou montava as prateleiras dos livros, minha mãe sempre ajudando organizando os espaços e dialogando com as pessoas, meu irmão fez toda arte nas paredes e abdicou de suas tarefas para ajudar na ornamentação, meu irmão mais novo de 9 anos de idade junto de mais 3 amiguinhos passaram porta a porta no bairro fazendo convite para o evento, meu companheiro trabalhou lado a lado, incentivando, com poucos recursos, praticamente não paramos a semana toda comprando de material, planejando atividades para além da inauguração, foi tudo muito intenso, tios e tias se mobilizando por um fim comum, portanto é um trabalho coletivo e cooperativo e com pouco mais de 4 meses de projeto e muito trabalho coletivo nosso projeto arrecadou mais de 600 livros e no dia 27 de novembro de 2020 inauguramos nossa biblioteca comunitária, celebramos a concretude do projeto com as moradoras e moradores dos barreiros e comunidades vizinhas, contamos com uma programação cultural diversificada , artistas periféricos que expressam a arte das periferias como o freestaly, contamos com poesia, música, voz e violão, batalha com os mas de pentecoste e as crianças do bairro, a presença das meninas super poderosas que levam alegria por onde passam". 
Afirma Bruna.




As crianças que também participam do projeto, subiram no palco e mostraram seu talento, outras se divertiram com jogos, admiravam os livros, fizemos uma atividade a qual tem o objetivo de apresentar 10 mulheres negras e heroínas sobretudo na literatura brasileira e com o grupo lembra a morte da vereadora assassinada no Rio de Janeiro, Mariele Franco que tanto inspira o projeto.


A biblioteca não é um fim, mas dos meios que temos de engajamento na educação e cultura sobretudo na periferia.


"Nós queremos romper o olhar marginalizado para as periferias e o preconceito o qual aponta das comunidade periféricas como núcleo de criminalidade, nós temos cultura, temos talentos, gostamos ler, somos autores e autoras, artistas, estudamos trabalhamos... só não somos reconhecidos, não é investidos em políticas públicas na favela. Mas nós (R)existimos!" Ressalta Bruna.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!