Ordens de ataques saíram de visitas ou contatos com advogados, diz polícia - NOTÍCIAS DE PENTECOSTE

Últimas Notícias

Publicidade

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Ordens de ataques saíram de visitas ou contatos com advogados, diz polícia

Operação Torre investiga a participação de integrantes de uma facção criminosa nos ataques recentes no Ceará João Pedro
As ordens para os ataques criminosos que acontecem desta a última sexta-feira (20) partiram de dentro dos presídios, porém, não saíram das unidades por meio de aparelhos celulares. A comunicação partiu das visitas e contatos com advogados, de acordo com as investigações da polícia. O Ceará vive o 7º dia de uma nova onda de atentados incendiários.

Segundo o secretário da Secretaria de Segurança Pública, André Costa, o órgão realizou buscas dentro das celas dos presos e não foram encontrados aparelhos celulares. Ele acredita que a comunicação exterior ocorreu por meio das visitas e contatos com advogados. 

“Sobre os presídios do Ceará fizemos buscas realizadas e não foram encontrados telefones celulares nas celas destes presos. A comunicação deles não acontece pelo telefone celular. A única forma deles terem comunicação com mundo exterior é através das visitas ou contatos com advogados”.

A operação Torre prendeu seis pessoas suspeitas de ordenar ataques desta onda de atentados e também a torres no dia 1º de abril na Grande Fortaleza. Um deles estava preso em Pernambuco, - e enviava ordens diretamente a pessoas no Ceará fora do sistema carcerário -, e outros quatro são internos em presídios cearense. Uma pessoa está foragida. 

O coordenador da Operação Torre da Polícia Federal, o delegado Elanio de Oliveira Júnior, afirmou durante entrevista que a polícia também descarta que as ordens saíram por meio de aparelhos celulares. 

“Que as ordens chegaram a gente sabe que chegou. A gente acredita que não teria sido através da comunicação considerando as retiradas de celulares de isolamentos que ocorreram. Mas, existem inúmeras e outras formas das determinações virem do lado externo da cadeia dos presídios. A maneira de como essas informações chegaram a gente não sabe. Essas pessoas teriam determinado, mas como essa forma chegou não teria sido através da comunicação de telefone”, disse. 

Explosão de caixas eletrônicos

Além do Ceará, a operação da Polícia Federal também foi realizada em Pernambuco, onde foi preso, na quarta-feira (25), um homem identificado como Ednal Braz da Silva, conhecido como “Siciliano” de 45 anos, natural de Umbuzeiro (PB), integrante e fundador da facção criminosa responsável pelos ataques. A Polícia Federal disse que Silva enviava ordens ao Ceará por meio de pessoas que estavam fora do sistema carcerário. 

Segundo o delegado Elanio de Oliveira, o principal alvo da operação cometeu crimes em 2013 e seu principal alvo eram agências bancárias. Ele também estaria no comando nos ataques ocorridos em abril de 2019 e que a polícia não descarta o seu envolvimento nos ataques atuais no Estado. 

“Esse preso no Estado de Pernambuco seria um dos fundadores de uma organização criminosa e que possivelmente estaria envolvido nos ataques atualmente. Comprovadamente nós já temos que está envolvido nos ataques ocorridos em abril e diante da necessidade de isolarmos ele de cumprir logo esse mandado de prisão nós cumprimos esse mandado na data de ontem [quarta-feira] que seria hoje [quinta-feira] para sim buscar outras medidas até confirmar realmente a questão da participação dele nos atuais ataques no Ceará. Ele está preso os crimes que ele cometeu foram em 2013. Ele participava de explosões de caixas eletrônicos, ele foi preso com explosivos, armamento, e envolvidos ataques a caixas eletrônicos”. 

Transferência de 12 presos 

Durante a coletiva, o promotor de Justiça do Ministério Público do Ceará, Rinaldo Janja, disse que o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) recebeu dois relatórios técnicos sobre a possibilidade de 12 presos serem transferidos o quanto antes para presídios federais. Esses relatórios estão sendo estudados e que podem ser enviados para a Vara de Organização Criminosa. 

“O Gaeco recebeu dois relatórios técnicos na Secretaria Administração Penitenciária (SAP) sugerindo a transferência e inclusão no Sistema Penitenciário Federal de doze presos ligados a essa facção. E nós estamos analisando. Após análise do documento emitido pela SAP nós estaremos ajuizando esses pedidos para junto a Vara de Organização Criminosa”, revelou.

Fonte: Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Anuncie aqui!!!